segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Como arranjar currículo?

Há pessoas que detectam todo o saber e qualidades pessoais dos outros «em menos de um fósforo», mas eu sou mais lento e fiquei surpreendido com o meu amigo António já aqui referido várias vezes. Ontem, domingo tive o prazer de passar algum tempo com ele em amena cavaqueira sobre aspectos da vida actual, do País e do Mundo.

A dada altura, nem me lembro a que pretexto, disse-me que um amigo lhe contou que um primo relacionado com pessoas de grande poder de influência precisava de empregar uma filha num serviço público, ou empresa pública, em lugar muito bem remunerado, mas a moça tinha feito a licenciatura numa dessas universidades, tipo grandes oportunidades, daquelas que têm má fama e arriscam-se a fechar como já aconteceu a outras muito badaladas, e depois de se formar não fez nada. Nada tinha de currículo!

Falou no caso a um amigo muito bem colocado na pirâmide dos tachos e obteve a resposta de que seria difícil, porque para o lugar haveria muitos políticos a querer encaixar familiares e amigos e que, sem currículo, seria quase impossível conseguir ser admitida. Mas iria ver o que se podia arranjar.

Palavras simpáticas a funcionar e, passados dias, lá veio a solução: o amigo conseguiu que num momento se construísse um currículo de fazer inveja a qualquer jovem licenciada mesmo que tivesse a competência da Mónica Lewinsky.

Ao chegar a este ponto exclamei: Oh António, isso cheira a fantasia de pura ficção. E ele respondeu que estava a contar tal como a ouviu. E disse que num belo dia foram para o Diário do Governo (agora teria outro nome) dois despachos, um a contratar a menina Manuela para secretária pessoal dessa entidade a partir de uma segunda-feira e o outro a exonerá-la a seu pedido a contar da sexta-feira seguinte e aproveitava para declarar que nesses quatro dias ela evidenciou excelsas qualidades pessoais e profissionais e desempenhou as funções com inexcedível dedicação, competência e lealdade.

Menina muito prendada que, em tão poucos dias, tão bem se adaptou ao serviço e soube mostrar todos os seus talentos. E o seu extraordinário chefe teve a perspicácia de avaliar tudo isso e ir ao âmago das suas excelsas qualidades pessoais. Puramente fantástico!

E com tal currículo, ela foi admitida ao importante cargo que pretendia.

Coisas destas só em contos de fadas ou moiras de encantar, e mostrei ao António que podia ir contar essa história a outro porque eu não a engolia.

Mas, quando cheguei a casa deparei, com muito espanto, com esta imagem em anexo a um e-mail e fiquei com a impressão que o António não é aquela pessoa simples e cinzenta que aparenta e deve andar metido nos segredos dos deuses.

6 comentários:

Fê-blue bird disse...

Sr. Soares:
Estava a ler esta sua mensagem como aliás leio todas com interesse e ao mesmo tempo a pensar que a mim o que escreveu não espanta, vou-lhe contar o seguinte:
Como já lhe disse tenho um filho recém-licenciado em economia no ISEG ( faculdade de prestígio) com um nota final boa, mas acontece que não consegue um estágio porque (e até já lhe perguntaram em entrevistas) não tem ninguém influente na "instituição" a que se candidata para lhe dar"um jeitinho".
Meu amigo, o que se pode mais dizer, quando tudo gira em volta dos mesmos e para os mesmos.
Aliás queria lhe pedir um favor, será que posso postar no meu blogue esta sua mensagem?
Um abraço

A. João Soares disse...

Querida Amiga Fê,

Parece que se trata de um defeito da cultura e da tradição nacional. Como somos um povo atrasado e avesso ao progresso talvez seja ainda herança do feudalismo medieval, consolidada com a monarquia os privilégios dos aristocratas. Fala-se em igualdade, mas ela não se instala nem sequer nas oportunidades, o único sítio onde é realmente desejável. Nem o sistema de concursos públicos vencem tais vícios.
Quanto a transcrever o post, nada teno a opor, nem me poso opor. Quando se publica é com intenção de ser lido pelas pessoas, no maior número. É correcto identificar a origem.

Se tiver dificuldade com a formatação, diga-me por e-mail e envio-lhe pela mesma via o HTML respectivo.

Beijos
João

Fê-blue bird disse...

Obrigada meu amigo, vou postá-la amanhã no meu blogue e com certeza vou indicar a origem.
Já agora e perdoe-me a indiscrição, como arranja tempo e inspiração para comentar tantos e variados assuntos com sabedoria. Sei que por cá não faltam notícias para comentar mas saber fazê-lo é uma arte que eu sinceramente admiro pois ainda sou uma novata por aqui:)
Um abraço

A. João Soares disse...

Minha Amiga,

A sua pergunta é muito elogiosa, mas não me sinto vaidoso, antes me considero um ser humano vulgar, mas muito interessado por tudo o que me cerca. Fui sempre um aluno bem classificado e, como não sou dado a muitos divertimentos tenho muito tempo para reflectir a propósito das mais diversas coisas.
Já em fase consolidada da vida fiz um curso pós-graduação que além de técnico tinha uma base que poderia ser considerada enciclopédica, de generalista que me foi traduzida por um professor nesta frase: vocês não são especialistas mas têm que saber dialogar com diversos especialistas. Aprendi métodos de elaboração de estudos destinados a preparar decisões, a controlar a execução destas, etc.

Depois passei o resto da vida a trabalhar com papeis sobre os mais diversos assuntos.
Tudo isso, numa pessoa interessada e atenta, cria capacidades especiais, das quais é a de conseguir abstrair dos pormenores e ir para os conceitos e apreciar tufo com isenção e imparcialidade (dentro do possível!).

Não gosto de falar de mim, mas agora exagerei, não resistindo à sua tentação.

Beijos
João

Fê-blue bird disse...

Meu amigo:
Quando andamos "por aqui" com olhos de ver, descobrimos preciosidades, comecei timidamente mas com uma grande vontade de aprender e de me dar com sinceridade, só tenho ganho com isso.
Vi logo que além de experiência de vida o meu amigo tinha que ter formação para saber tão bem expor e comentar todos os temas que apresenta.
Só lhe desejo muita saúde e vida para continuar a fazer a diferença.
Um beijinho

PS. Também não faz mal de vez em quando falar de um pouco de nós:)

A. João Soares disse...

Amiga Fê

Os seus comentários comovem-me. Sugiro-lhe uma visita ao blog Do Miradouro que, tendo nascido gémeo deste, tem alguns posts diferentes e os comentadores são outros, que me estimulam nas respostas a abrir mais os meus pensamentos, saídos no momento, e que deixam transparecer mais daquilo que sou, apesar do meu cuidado em me preservar. Nalguns comentários poderá encontrar referências a cargos que desempenhei.
A vida é como um lago que vai sedimentando no fundo partículas de cada momento. Havendo algum cuidado e método, nada se perde!

Beijos
João