sábado, 10 de agosto de 2013

ELES SABERÃO O QUE FAZEM ???



Não houve surpresa ao deparar-se com a notícia que informa que:

O Governo não realizou, esta sexta-feira, o “briefing” com os jornalistas, como estava programado. Além disso, também não se compromete com dois encontros na próxima semana (…)
Quando os encontros com jornalistas foram retomados, a 31 de Julho, foi assinalado que os “briefings”, que ,quando começaram deveriam ser diários, passariam a ser bissemanais. Iriam acontecer à terça e à sexta-feira. Contudo, na segunda semana desde que foram retomados os “briefings”, houve um cancelamento. O desta sexta-feira.(…)


NOTA: Enfim, decisões impreparadas, desconhecendo a metodologia aconselhada em «Pensar antes de decidir». Os senhores governantes não têm respeito pelo povo deste País, nem pelos jornalistas e brincam infantilmente com caprichos e fantasias, antes de pensarem serenamente no objectivo que pretendem, na análise cuidadosa de todos os factores com incidência no problema e na escolha da modalidade mais correcta, planeando (planear é prever) os pormenores por fora a não mostrarem o seu aprendizado deficiente ou falta dele e procurarem evitar ter de fazer face às suas hesitações com emendas, avanços e recuos.

Não pensaram, com oportunidade, que os jornalistas são inteligentes (o seu QI médio não será inferior ao dos políticos) e não uns burros incipientes que comem toda a palha, independentemente da forma como lhes é dada. Por outro lado, eles conhecem melhor do que a maioria dos políticos os problemas dos portugueses das diversas regiões. E, a jusante dos jornalistas, estão os portugueses que lêm e ouvem a Comunicação Social..

Senhores governantes, não esqueçam que não são os detentores exclusivos da inteligência e da verdade. Procurem esclarecer em vez de aumentar as dúvidas e as interrogações, porque estas nunca são favoráveis aos ocupantes dos gabinetes governamentais,

Imagem de arquivo

2 comentários:

elvira carvalho disse...

Os governantes não são os detentores exclusivos da inteligência? Alguns coitados parece que a inteligência nem passou perto deles. Ou se o são, não se preocupam em estar informados. De outro modo como se entende certas atitudes de quem nos governa?
Um abraço e uma boa semana

A. João Soares disse...

A este comentário e ao do Amigo Fernando Vouga que, por erro, foi eliminado, respondo: Nada garante, antes pelo contrário e salvo eventuais excepções, que os governantes sejam superiores à média nacional, em inteligência, sentido prático e capacidade de de explicar claramente aquilo que fazem. Sobra-lhes arrogância, ostentação e exibição a servir de fundo a enorme ambição que os leva a procurar enriquecer rapidamente sem olhar a meios.

Alguns até têm boa reputação como excelentes académicos, mas isso não garante que, na política façam péssima figura. Há uma grande distância entre a ciência e a vida prática. Um bom cientista está habituado a raciocínios com dados gerais abstractos e de elevado conceito mas que não se adaptam facilmente às realidades práticas e não são compreendidos pelos cidadãos médios.

Governar é olhar para as pessoas, a sua qualidade de vida, as suas dificuldades, os factores que lhes condicionam a vida. E isso está muito longe das preocupações de quem está habituado às congeminações da alta ciência. Há assuntos em que um gestor de tasca pode raciocinar melhor do que um prémio Nobel de Filosofia, para encontrar uma solução prática eficaz.

E para comunicar com os cidadãos a linguagem não pode ser demasiado erudita nem abusar de argumentos científicos não traduzidos em termos perceptíveis pelos menos conhecedores.

Mas, na realidade, os governantes preocupam-se pouco com os cidadãos excepto durante a preparação de eleições em que lhes querem caçar o voto. Eles apenas pretendem agradar aos fornecedores de tachos como os inúmeros que financiam a vida do critico da «podridão dos hábitos políticos»
Mas, como se diz quando se trata de valores éticos, a vida real é como é!!!

Cumprimentos
João


Um abraço
João