terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Amizade ou honra e dignidade


No meio da variada campanha de tricas, suspeitas, acusações, réplicas, insinuações, «verdades», «mentiras» e referência insultuosas a entidades que deviam ser mantidas acima de qualquer vexame, já aqui expressas por várias pessoas, surge esta apreciação de um factor que merece ser tido em consideração. Segue-se a transcrição:

Guardiões da honra
Correio da Manhã. 16 Fevereiro 2010 - 00h30. Eduardo Dâmaso

Uma das coisas mais escandalosas que a ‘Face Oculta’ tem revelado é a ligeireza com que se multiplicam os insultos de dirigentes do PS aos investigadores e magistrados do caso. O mais irrelevante do que tem sido dito está na multidão de rapaziada embasbacada com Sócrates que pulula pela Internet.

Uns mais desinteressados, outros puramente empenhados em defender umas migalhas, todos muito encandeados com a luminosidade da propaganda governamental. Agora veio o advogado Proença de Carvalho, que há anos diaboliza polícias e magistrados. Habitualmente com opiniões respeitáveis, desta vez com adjectivos inqualificáveis. Por fim, o candidato do PS rotundamente derrotado nas Europeias, Vital Moreira, que despejou todo o desprezo que é capaz na expressão "agente local", qualificativo aplicado ao Ministério Público de Aveiro. Estes continuadores da prosápia governamental fazem tábua rasa do trabalho e da seriedade de pessoas que servem o Estado, algumas há mais de 30 anos, e com inegável competência e prestígio. Alguns dos prestimosos guardiões da honra de Sócrates são só patetas, mas outros têm responsabilidades públicas e políticas sérias. Mais valia que soubessem estar calados quando não sabem conciliar a defesa de amigos com o respeito pelo trabalho dos outros.

Eduardo Dâmaso, Director-Adjunto

4 comentários:

Isidério Silva disse...

http://passeiodostristes.blogs.sapo.pt/

Anónimo disse...

Caro João Soares,

Não vejo, nesta casta de políticos actuais, grande alternativa -pela positiva- ao Sócrates. Acho tudo muito semelhante, logo muito rasca.
Enfim, as pessoas já não acreditam em nada. Andam como zombies... ´

Lá para Santa Comba haverá alguém que se deve estar a rir do estado desta democracia, mesmo que não se lhe reconhecesse alegria quando Portugal atravessava dificuldades. Mas ele olha para estes antifascistas de algibeira e deve pensar com os seus botões: vão ler os meus discursos -antiguinhos- sobre os partidos... e sobre a pseudo demo(cracia).

Sabe, eu acho que isto precisava de alguém com tomates. Alguém que respeitasse PORTUGAL, e se preocupasse, verdadeiramente, com os problemas reais dos PORTUGUESES.

Quanto aos impérios de comunicação social que por aí andam... não acredito neles também. Isto está tudo bem encaixado.

E quem se lixa é o mexilhão, o povinho. Mas verá que alguns jornalistas irão também pagar as ousadias mais dia menos dia. Não serão os donos.

Um abraço
Jorge M.

A. João Soares disse...

Caro Jorge M,

Diz muito bem. Não é visível uma alternativa que dê esperança aos portugueses. A falta de ética está generalizada na sociedade. Nas eleições autárquicas, o povo votou em candidatos que tinham processos em tribunal por terem roubado. Nas legislativas o PSD inseriu nas listas dois, pelo menos, candidatos que tinham processo em tribunal por crimes ligados ao dinheiro público.
Ser corrupto parece ser uma virtude, sinónimo de capacidade para enriquecer sem fazer esforço.
Nos governos e no Parlamento abundam os homens do direito que usam e abusam da palavra, dos argumentos para sim e para não. Há poucos engenheiros e economistas e outras profissões ligadas á criação de riqueza e ao estudo e planeamento.
Daí que não saibam ou não queiram definir o que é essencial e estabelecer prioridades. Sem a definição de objectivos hierarquizados e sem escolher as estratégias para os conseguir, andam a chafurdar nos excrementos sem deles saírem. Perdem-se energias valiosas a falar de nada, esquecendo o essencial.
O Sócrates é um indivíduo com qualidades mas cercou-se de companheiros incapazes e sabujos que nada o ajudam, que têm receio de lhe desagradar se o esclarecerem das realidades, que o gabam e o tornam vaidoso e ele deixa-se escorregar nessas cascas de banana e usa de vaidade e de arrogância convencido de que está a agir bem. Por outro lado, na ausência de definição das prioridades colocam em primeiro lugar a conquista de votos e esquecem o País.
Neste labirinto de incompetentes, não é fácil imaginar como iremos sair deste emaranhado de rotinas manhosas e baixas, para entrarmos numa rota positiva.

Um abraço
João

Fernando Vouga disse...

Caro João Soares

Sobre o assunto em geral, talvez seja boa ideia visitar o blogue "Alma Lusíada" (http://alma_lusiada.blogspot.com/)