segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Educação perante o Poder sem estratégia

Depara-se hoje nos jornais com dois artigos que se complementam. Embora não seja meu hábito colocar aqui posts muito longos, não quis resumir estes dois nem publicá-los em separado. Estamos perante uma indesejada inépcia num dos sectores mais importantes do Estado, senão o mais marcante no que toca a consequências futuras. Mas, infelizmente, os governantes, antes de decidirem, não analisam as soluções possíveis, não as comparam para escolher a melhor tendo em contra a avaliação geral das consequências a longo prazo. Pensa-se, e pouco, no presente e talvez no amanhã, mas não se procura ver longe e trabalhar para a estratégia, para o longo prazo. A não ser que, como por vezes ouço dizer, tudo esteja deliberadamente decidido para um objectivo bem determinado, o de destruir o que há de aproveitável na nossa sociedade.

Eis os artigos:


Sofreguidão de poder
 Diário de Notícias. 13-12-2010. por João César das Neves

Portugal vive uma crise grave. Não tão grave que não haja quem se aproveite dela para ganhar poder. Quando quem o faz é grande responsável pela crise, ultrapassa-se os limites da decência.

O descontrolo orçamental tem muitas origens. Entre os serviços, sectores e interesses culpados pelo endividamento galopante, ocupa lugar de destaque o Ministério da Educação, cuja dimensão e desregramento criaram tantos desperdícios e derrapagens.

A crise geral implica reduções nas verbas para o ensino. Compreende-se. Esses cortes, se afectam as escolas públicas, devem também atingir o regime de associação das escolas privadas. Não surpreende. A coisa fica estranha quando o ministério usa a crise como pretexto para rever o regime desses contratos, que vigora há 30 anos (DL 553/80 de 21 de Novembro). Que tem isto a ver com austeridade? Porque razão o Governo, que nos sucessivos PEC sempre se recusou a mexer nas suas múltiplas regras ruinosas, preferindo medidas pontuais e avulso, insiste aqui em mudar o estatuto? Para mais sem com isso cortar despesas?

A trama entende-se quando o aspecto central da proposta é a redução da duração dos contratos de associação, que era de cinco anos, para anual. A partir de agora todos os anos lectivos o Ministério decide se mantêm ou não o subsídio que torna gratuito ou acessível o ensino em algumas escolas particulares.

A ideia é aberrante! Por que razão querem os serviços repetir de 12 em 12 meses o esforço de avaliar as escolas? Como é possível os alunos, cuja formação dura 12 anos, viverem na incerteza contínua de terem ou não o seu ensino assegurado, prejudicando logo os mais pobres? Como podem as escolas gerir o seu funcionamento e manter o corpo docente e auxiliar debaixo desta permanente ameaça?

A mais elementar sensatez, prudência e economia chega para ver que a proposta é um enorme disparate educativo, social, administrativo e económico. Como pode tal dislate passar pela cabeça dos responsáveis, para mais no meio da grave emergência nacional? A resposta é simples: pelo poder. A partir de agora as escolas privadas andam de trela curta, sempre sujeitas aos caprichos administrativos. Burocratas da Direcção Regional de Educação, políticos da câmara municipal ou simplesmente caciques locais têm os responsáveis escolares no bolso.

O vício vem da própria estrutura do sector. O ministério tem duas funções. A primeira consiste em regular o sistema de ensino. Essa é a sua missão pública, que pouco lhe interessa, porque o melhor dos seus esforços e preocupações dirige-se ao fornecimento de instrução. A senhora ministra raramente é ministra, sendo sobretudo gestora da escola pública.

O Estado tem a função decisiva de vigiar a qualidade escolar. Mas não há razão para se envolver no negócio das aulas. Para quê meter-se entre pais e professores, cobrando impostos aos primeiros para pagar salários aos segundos? Para quê o Estado proporcionar ensino aparentemente de borla, que fica caríssimo pelas distorções e desperdícios que causa? Pior, depois de arruinar múltiplas escolas com concorrência desleal, ainda se finge magnânimo apoiando alguns colégios nos contratos de associação, anomalia a eliminar logo que a escola pública seja universal.

A alegada razão disto tudo é dar aos pobres acesso ao ensino. Mas se é essa a finalidade, deveria entregar o dinheiro dos impostos aos necessitados, deixando-os escolher. Este mecanismo do cheque-educação seria mais barato, justo e sobretudo excelente para os carenciados, livres de inscrever os filhos no melhor, em vez de ficarem presos à escola pública gratuita. Todos beneficiavam.

Porque não se faz? Por causa do poder. Com este esquema os funcionários do ministério passariam a meros distribuidores de cheques e os professores públicos perderiam a clientela forçada, devendo concorrer em qualidade pelos alunos. Até o Estado deixaria de ter a máquina de doutrinação ideológica.
Toda a crise da educação vem da sofreguidão do poder. O pior é que é este o mecanismo que ensina as nossas crianças.


Qualidade no ensino
Correio da Manhã. 13-12-2010. Por: Luís Marques Mendes, ex-líder do PSD


Sem a coragem de o dizer abertamente, a intenção é a de progressivamente matar o ensino particular

Com a algazarra em torno dos juros da dívida, do FMI, da lei laboral ou das excepções salariais nos Açores tende a passar incógnita uma nefasta decisão que o Governo tomou sobre educação.

A questão é simples de formular: desde 1980 que está institucionalizado o ensino particular e cooperativo, sendo que o Estado apoia financeiramente estas escolas, as quais acolhem já dezenas de milhares de alunos e têm obtido até em termos de qualidade de ensino uma classificação superior à de muitas escolas públicas.

De repente, a pretexto da crise, o Governo quer reduzir em 30% os apoios às escolas particulares e consagrar que os contratos a celebrar com elas deixem de ser plurianuais para serem decididos anualmente, caso a caso. Ou seja, sem a coragem de o dizer abertamente, a intenção é a de progressivamente matar o ensino particular e cooperativo.

Quatro razões tornam esta decisão inexplicável:

Primeira: a liberdade de escolha. Numa sociedade democrática, os pais devem ter liberdade para escolher a escola dos seus filhos. Para poderem escolher em função da qualidade. Optando pelas melhores. É um direito elementar. Acabar com as escolas privadas é matar este salutar direito à diferença.

Segunda: a competição saudável. O país só ganha com uma competição saudável entre escolas, públicas e privadas. A concorrência fomenta a qualidade e incentiva a excelência. A unicidade premeia a mediocridade. Acabar com as escolas privadas é acabar com a concorrência. É dar uma machadada na busca da qualidade.

Terceira: o interesse público. Muitas das escolas privadas têm das melhores classificações nos rankings de qualidade. Estão no topo do melhor ensino que se pratica. O que é bom para os jovens e para o seu futuro. Em nome do interesse público, o Governo devia congratular-se. Ironicamente, o ‘prémio’ é matar quem tem qualidade.

Quarta: a exclusão social. Muitas das escolas privadas têm um ensino de elite mas não são elitistas. Com o apoio do Estado, a elas têm acesso, nas mesmas condições, os filhos de ricos, pobres ou remediados. Sem apoio do Estado, passamos a ter escolas privadas apenas para ricos e escolas públicas para os outros. É o convite à exclusão social.

É assim, com preconceitos ideológicos, que se mata os bons projectos. Afinal, o investimento não deve ser na escola pública ou na privada. Mas sim na qualidade do ensino. Esteja ela no público ou no privado. Só deste modo o país sai a ganhar.

Imagem da Net

3 comentários:

Fernando Vouga disse...

Caro João Soares

O cerne do problema reside no facto de os que mandam nos governantes não estarem interessados em proporcionar ao povo um ensino de qualidade. Primeiro, porque querem aumentar o fosso cultural entre os privilegiados e o resto dos cidadãos, para que só os seus possam progredir. Segundo, porque não é fácil vigarizar e explorar um povo esclarecido.
Com o ensino passa-se exactamente o mesmo do combate à droga. Há gente muito poderosa que beneficia da ineficácia do sistema.

A. João Soares disse...

Caro Vouga,

Essa clareza de raciocínio não entra em muitas cabeças, precisamente pelo efeito de embrutecimento persistente do povo. Hitler quis estruturar a sociedade em duas classes que nada têm a ver com as de Karl Max, era os arianos, uma elite bem instruída preparada para dominar o mundo e outra de ferramentas de trabalho escravo apenas apta para tarefas repetitivas. Ainda não tinha engenharia genética para o conseguir.
Agora, como é descrito no livro de Daniel Estulin, «CLUBE BILDERBERG os senhores do mundo», pretendem levar esse objectivo à prática. E o esquema como o Vouga descreve está inserido nesse desiderato dos governantes. Tem-se visto, por exemplo no projecto de evitar chumbos e repetições de anos, do que resultará como única condição de obter um diploma, o facto de se ter matriculado.
Mas, como diz Manuel Pedroso Marques em «TEMPOS DIFÍCEIS, DECISÕES URGENTES», o sindicato está mais esclarecido e tem mais capacidade de análise do que os «boys» do ministério que apenas lá estão para sugarem os dinheiros públicos, em salários e mordomias. Os responsáveis pelas escolas começam a estar atentos como mostra a notícia Directores de escolas públicas unem-se contra "instabilidade criada pelo Governo" de ontem no PÚBLICO.

Um abraço
João
Do Miradouro

A. João Soares disse...

Este título de notícia
Ministério da Educação não sabe quais as escolas que fizeram os testes PISA mostra com evidência que, quando os governantes tomam decisões que não foram devidamente preparadas e fundamentadas e se basearam apenas em palpites e intuições, sentem dificuldades ou impossibilidade de responder a perguntas fáceis. Depois sem a mínima sombra de vergonha, acabam muitas vezes por, com a mesma leviandade e irresponsabilidade recuar anulando a decisão anterior, ou alterar sem critério ou consciência do resultado para o País.
Seria bom que seguissem a metodologia de Pensar antes de decidir.

João
Do Miradouro